terça-feira, 4 de janeiro de 2011

O que é companheirismo?

Alguém sabe?



' Então, vou lhes contar um caso que outrora aconteceu comigo. Há uns sete anos atrás, quando eu tinha uns doze ou treze anos, lembro-me que estava indo para a escola. Naquela época, eu estudava em Taguatinga - DF, acordava todos os dias cedo para ir para o curso de inglês, que era na mesma cidade e finalmente ia andando para a escola. Certo dia, seguindo a minha rotina, fui andando para a escola. Chovia à beça! E eu, como sempre, sem guarda-chuva, algo que não é novidade, fiquei debaixo de uma parada junto com algumas pessoas de meu curso e escola. Estava cheia de livros, inclusive da biblioteca da escola, logo não podia molhar, então sem muitas opções tive que esperar um pouco. Ao meu lado, havia um cachorro vira-lata preto, raquítico, ao ponto de poder contar os ossos de suas costelas. Estava todo molhado e tremendo de frio. Eu, que não posso ver cachorro, não sei porque, assobiei e estalei os dedos como quem não quer nada. Não imaginava que aquele cachorro me daria atenção, entretanto, me enganei. O coitado, tremendo de frio, ainda se levantou e veio para mais perto de mim, abanando o rabo. Eu ainda passei a mão em sua cabeça e ele olhava para mim como se eu tivesse algo para lhe dar de comer. Eu não tinha nada ali. Uma colega do meu curso, que estudava na mesma escola que eu, me olhava como se eu tivesse feito algo banal. " Não sei como você tem coragem de pegar nesse animal, deve estar cheio de doenças". Eu não me importei. Enquanto isso, a chuva estava mais baixa, somente chuviscando. Dava para continuar o meu caminho. O cachorro que estava do meu lado me viu saindo e veio correndo ao meu encontro. Não sei porquê, mas ele estava querendo me seguir. E mais uma vez, ouvi uma outra piadinha " Está vendo, foi dar ousadia". Não me importei novamente. Eu não tinha nada para ele, tinha apenas algumas moedas e não dava para comprar nada. Perto da parada tinha uma padaria, foi então que eu tive a grande idéia de comprar um pão para aquele cachorro. Comprei um. Melhor um do que nada. Ele de início, cheirou e abanou o rabo para mim. Eu podia jurar que ele estava sorrindo. Ele colocou o pão na boca e ficou me olhando ainda abanando o rabo. Eu imaginava uma outra cena, que eu daria o pão para ele e ele engoliria numa só "bocada" "NHAC"! ( risos), foi nesse momento que algo me surpreendeu. O cachorro, ao invés de comer o pão, atravessou a pista e deitou do lado de uma mulher, muito pobre por sinal, sentada do outro lado da rua coberta com um lençol fino e alguns papelões do lado. Foi aí, que eu pude perceber que o cachorro pertencia à ela. O mesmo colocou o pão no chão e começou a latir, como se estivesse dando aquele pedaço de pão para ela. Eu confesso que aquela cena me chocou. Fiquei pasma, como nunca tivera ficado em toda a minha vida, mesmo sendo tão nova e não ter vivido quase nada. Aquele animal preferiu ficar com fome, do que deixar o seu dono com fome. Naquele dia, eu aprendi o significado de companheirismo. Naquele dia eu descobri até que nível pode ir a lealdade de um animal pelo seu dono. Uma vez, eu li em um livro que dizia que cães não precisam de carros luxuosos, casas grandes ou de roupas chiques. Água e alimentos já são o bastante. Um cachorro não liga se você é rico ou pobre. Esperto ou não. Inteligente ou não. Dê o seu coração e ele dará o dele. De quantas pessoas podemos dizer o mesmo? Quantas pessoas fazem você se sentir raro, puras e especiais? Quantas pessoas nos faz sentir... extraordinários?
Juliana de Alencar.


Companheirismo: Lealdade entre duas pessoas que se dispõe a caminhar juntas, relacionamento, cumplicidade, fidelidade, lutar pelo mesmo propósito, andar juntas na mesma direção, almejando o mesmo sonho, o mesmo alvo, ter um só coração, confiança,respeito, união, casamento, admiração.

Se dispor a caminhar junto com o amigo, namorado, marido, haja o que houver.
Pagar o preço por aquele vínculo estabelecido.

E você? Tem sido companheiro nos últimos dias?

J.A.Matos.

7 comentários:

Anônimo disse...

Acredito que qualquer que consiga analisar seu próprio cerne pode responder com sinceridade a essa pergunta. Mas nem todos podem dizer abertamente o resultado de tal análise. Eu consigo, e você Jam? você pode responder a essa pergunta?
Sem esquecermos que companheirismo pode ser algo singular ou como um todo...
kisu
(Lupus)

Anônimo disse...

Se eu cheguei a essa conclusão, é porque de fato eu achei a resposta para essa pergunta. :)
Companheiro que é companheiro, tem que saber pagar o preço por aquele vínculo. E eu .. Eu estou pagando. E caro. :D

Besos. :*

(Juliana de Alencar)

Gildney disse...

=D

Belo texto

"E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida."

William Shakespeare

Dannilo disse...

Belo texto Ju, e tá de parabéns pelo blog!
É sempre bom filosofar...

Bejuss!

Ingrid Rodrigues disse...

Muitoo bom amiga *-*

Companherismo, sem preço :D

Anônimo disse...

XD

" A vida é labuta - disse a Formiga"

(Lupus)

Juliana Matos. disse...

rsrs

Postar um comentário

Faça o seu comentário aqui.